17/03/2023 às 21h07min - Atualizada em 17/03/2023 às 21h07min

*Luciano Amaral cobra de operadoras bloqueio de conteúdos impróprios na internet de ensino à distância*

Por Assessoria
Foto: Reprodução

Em seu primeiro discurso no Congresso, deputado afirma que Anatel já fez exigência das empresas beneficiadas pela Lei 14.172/2021_


Realizando seu primeiro discurso como deputado federal em Brasília, o parlamentar Luciano Amaral criticou operadoras beneficiadas pela Lei 14.172/2021 que "dispõem sobre a garantia de acesso à internet com fins educacionais a alunos e a professores da educação básica pública", por não fazerem bloqueio de conteúdo impróprio para as crianças.


"É importante garantir que esse acesso não seja irrestrito e que crianças, sob hipótese nenhuma, se deparem com conteúdos impróprios ou que seus pais possam, de forma equivocada, destinar essa conectividade para uso próprio", disse o deputado. Luciano Amaral disse ainda ser preciso uma regulamentação para impedir que os chips destinados à educação não sejam vendidos.


Com repasse superior a R$ 3,5 bilhões através de recurso dos Poderes Executivos estaduais e do Distrito Federal, a Lei 14.172/2021 foi motivada pela pandemia e tem propósitos educacionais aos alunos e aos professores da rede pública de ensino. 


"Vários estados da Federação, incluindo o meu estado de Alagoas, têm procurado aplicar esses recursos, viabilizando o acesso de milhares de crianças ao ensino à distância", disse o deputado, afirmando que operadoras de telecomunicações têm tentado impedir as licitações, a aplicação desses recursos, insurgindo-se contra as contratações que exigem a restrição de uso.


"Operadoras não querem permitir que as empresas que criam esses filtros tenham acesso complementar ao mercado, pois isso afetaria seus lucros com acesso livre, gastando gigas com o que quer que seja, inclusive pornografia", acusa o parlamentar, questionando se esse mesmo bloqueio de conteúdos impróprios não seria feito em outros países, como Itália, Espanha e México.


O parlamentar informou ainda que a Anatel já exerceu o seu papel e determinou que as operadoras forneçam os chips e que as restrições sejam introduzidas. Uma ação importante da agência reguladora para impedir esse tipo de abuso contra a infância brasileira.


Luciano Amaral finalizou afirmando ser importante que o Congresso esteja atento para cobrar eventuais prejuízos que essas operadoras possam estar causando às nossas crianças, principalmente se ficarem sem o acesso às aulas remotas por não estarem cumprindo o bloqueio de conteúdo impróprio.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://vitalnews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp